quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Aula 03 - Cosmovisão Reformada


1. Introdução. 

Conforme estudamos na aula anterior, os valores que guiam a coluna Apologeticus e a vida de seus autores são pautados na teologia reformada, um movimento que se iniciou no século XVI, com Martinho Lutero e se expandiu até chegar aos nossos dias. 

Na aula de hoje abordaremos a repercussão e expansão da reforma e a cosmovisão que ela oferece para os cristãos da nossa era. 



2. Repercussão da Reforma. 

Outros teólogos espalhados pela Europa do século XVI ao XIX, inspirados pelo movimento luterano promoveram reformas religiosas em seus países de origem, e entre eles vamos citar o francês João Calvino, que levou o movimento reformado para Suíça, Países Baixos, Inglaterra, Escócia; e, por consequência, para os Estados Unidos. Calvino nunca foi ordenado ao sacerdócio. Era humanista, teólogo e professor. 

A Reforma mexeu com a estrutura religiosa, espiritual e litúrgica da Europa pós-Lutero. Por meio de seus estudos autodidatas, Calvino se converteu ao Evangelho ao contrastar incoerências do catolicismo em relação à Bíblia. 

Aos 28 anos, iniciou o seu ministério. Poucos anos mais tarde fundou a Academia de Genebra e publicou sua mais importante obra: "As institutas" (O maior compêndio teológico de todos os tempos). Enquanto as ideias de Lutero inflamavam a Germânia, Calvino incendiou a França e a Suíça. 

Os calvinistas, divergiam dos luteranos quanto a presença de Deus na eucaristia, ao princípio regulador do culto, ao uso da lei de Deus para os cristãos, dentre outros. 

O Calvinismo marcou uma espécie de segunda fase da Reforma Protestante, formalizando e organizando teologicamente o trabalho outrora iniciado por seus antecessores, conforme visto na aula anterior.  

O principal aspecto da doutrina calvinista, o que a diverge de outras, é a ausência da ação humana no processo de Salvação, sendo que esta é oferecida gratuitamente aos predestinados por Deus antes da fundação do mundo. Estes, por sua vez, são atraídos à Ele por sua irresistível Graça. Perceba que o processo não depende da ação humana mas sim da soberana vontade de Deus. 

"Porque pela graça sois salvos, mediante a fé, e isso não vem de vós; é dom de Deus; não vem de obras, para que ninguém se glorie"_(Efésios 2.8-9).

Para conhecer mais sobre Calvino, recomendo a todos a Palestra "Calvino, o teólogo do Espírito Santo" pelo Rev. Augustus Nicodemus Lopes:


A doutrina teológica calvinista se centra em cinco pontos, que serão detalhados em algum momento oportuno mais adiante: Depravação total, Eleição incondicional, Expiação limitada, Vocação eficaz e Perseverança dos santos. Você também pode conhecer mais, clicando aqui.

Pautados nesta visão reformada e inspirados nestes valores, nos séculos seguintes novos heróis da fé viriam a defender a verdade do Evangelho: Jonathan Edward, Charles Spurgeon, Hudson Taylor, Dr. Martyn Lloyde Jones, Robert Sproul, A.W. Tozer, A.W. Pink, Leonard Ravenhill, entre outros. 

Todos estes homens, com uma única missão: Anunciar o Evangelho Verdadeiro, dando sequência ao trabalho iniciado pelos reformadores. 

3. Cosmovisão Cristã.

Uma coisa interessante que observamos no meio "cristão" é a incoerência existente entre a fé que professamos e o estilo de vida que adotamos, que são completamente antagônicos e não condizentes. Conheço muitos cristãos cujo amor, a piedade, a fé e a entrega se restringem apenas às poucas horas do culto. A partir do momento que saem da igreja, em seu dia-a-dia, a postura muda completamente. 

Cosmovisão é um conjunto de crenças que alguém usa utiliza para interpretar a realidade, o mundo, a humanidade e as situações do dia-a-dia. Cosmovisão nada mais é do que ver o mundo, enxergar o mundo e viver no mundo sob a ótica das Sagradas Escrituras. Isto deve se enquadrar em todos os aspectos de nossa vida: desde os deveres, responsabilidades com a família, trabalho, questões políticos-sociais, até mesmo um simples lazer. Ou seja, todos os aspectos de nossa vida devem estar alinhados com a Palavra de Deus. 

Aprendemos que para nos tornarmos cristãos autênticos, é necessário ajustar a nossa cosmovisão. Precisamos enxergar a nós mesmos, aos outros, e às coisas deste mundo sob os óculos do cristianismo. A construção desta cosmovisão se dá por meio de um estudo bíblico e teológico de qualidade (o que hoje é cada vez mais raro nas igrejas que conhecemos). Muito pelo contrário, o que se vê é a cosmovisão do mundo tomando espaço dentro das igrejas e encima dos púlpitos. 

Nossa luta diária consiste em desconstruir esta maldita teologia de liberalismo religioso que se infiltrou dentro das igrejas contemporâneas e pregar a sã doutrina do Evangelho baseada no trabalho iniciado pelos apóstolos na igreja primitiva, resgatado e estruturado pelos reformadores da Igreja nos séculos passados.

A nossa cosmovisão está ajustada à teologia reformada. 

4. Em que cremos?

Diante de tudo o que temos exposto até aqui, desde a aula 1, você pode se perguntar: Em que cremos? No que está alicerçada a nossa fé?  

Cremos na teologia correta, bíblica, pura, que não foi adulterada pela barganha, pela busca material ou por movimentos que não edificam em nada a fé cristã. Todo crente, mesmo sem saber, tem concepções teológicas e essas concepções irão influenciar todos os aspectos da sua vida cristã. 

Nós, os reformados, não valorizamos a teologia pela teologia, mas sim a teologia como um instrumento para nos proporcionar um melhor conhecimento de Deus e do nosso relacionamento com ele.

Assim sendo, a nossa fé está alicerçada em dois fundamentos: Primeiramente, na Palavra de Deus que é o nosso fundamento de fé maior. Cremos nas Escrituras do Antigo e Novo Testamento, como a nossa única regra de fé e prática.

Em segundo lugar, tomamos como referência, os documentos de Westminster (Confissão e Catecismo), que apesar de não terem a mesma autoridade que a Bíblia, são os registros históricos de todo o trabalho realizado pelos reformadores calvinistas, a fim de estruturarem uma visão teológica sadia; por esta razão, os tomamos como referência e auxílio no estudo das Escrituras.  

4. Confissão de fé de Westminster.

Em 1643, iniciou-se no distrito de Westminster (Londres), uma grande assembleias de teólogos calvinistas, a fim de elaborarem a confissão reformada, ou seja, os pontos doutrinários desta visão teológica. Ao concluírem os trabalhos, sete anos mais tarde, ficou estabelecido um documento: Catecismo (maior e breve) de Westminster, que estabeleceu o padrão doutrinário da teologia calvinista. 

A Assembleia foi uma das principais contribuições dos puritanos (assim eram chamados os calvinistas ingleses) para a história do cristianismo. 

Você pode acessar estes documentos na íntegra e conhecer mais sobre este assunto e sobre a visão doutrinária que estrutura a coluna Apologeticus. Para isso, basta clicar nos links abaixo: 



5. Considerações Finais 

Homens de Deu se dispuseram a sair de sua zona de conforto para lutar contra um sistema religioso falido a fim de defender os postulados da sã doutrina. Estes incríveis homens de oração, usados por Deus, revolucionaram não apenas a sua época, mas a história do cristianismo. 

Hoje, podemos dispor dos documentos e dos dogmas que resultaram deste movimento; doutrinas estas alinhadas às verdades sagradas contidas na Palavra de Deus; e podemos aplicá-la a nossa vida, construindo assim uma nova cosmovisão e fazendo crescer o reino de Deus. 

Abraços fraternais,
Carol e Fábio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Amados (as) irmãos (as),
Poste aqui o seu comentário, suas dúvidas, suas sugestões!