Estudo do Livro de Provérbios: Lição 4 - A Mentira



TEXTO BASE


"Há  seis coisas que o Senhor odeia, sete coisas que ele abomina: olhos altivos, LÍNGUA MENTIROSA, e mãos que derramam sangue inocente; coração que maquina projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal; testemunha falsa que profere MENTIRAS, e o que semeia contenda entre irmãos"._(Provérbios 6.16-19).

TEXTO COMPLEMENTAR



"Vós tendes ao diabo por pai, e queres satisfazer os desejos de vosso pai, ele foi homicida desde o princípio e não se firmou na verdade porquê não há verdade nele, quando profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira"._(João 8.44).

INTRODUÇÃO

Ela é sutil, muitas vezes de mostra dimensionada pelos padrões humanos: - Mas é só uma mentirinha pequena! - Mas é só uma mentirinha inocente!

Das pequenas mentiras, como quando mandamos dizer que não estamos às mentiras mais grave, quando nem somos capazes de nos lembrar da verdade ou produzimos uma situação constrangedora em nossa vida por sustentarmos uma farsa, a mentira nos padrões divinos é um pecado tão grave quanto qualquer outro; e os seus praticantes, aos olhos de Deus, são considerados como filhos do diabo. 

A MENTIRA EM PROVÉRBIOS.

No texto base que refletimos, a mentira é colocado como uma característica inata da personalidade humana, uma vez em que nela não há cuidado ou comprometimento com a verdade. 

Quando comparamos com a testemunha falsa (v.19), que implica em uma injúria deliberada e consciente contra outra pessoa, ambas são formas de falsidade que estão na lista das coisas detestáveis. 

O pecado da mentira é grave e detestável, porque muitas vezes ele envolve a terceiros; e o mentiroso, se faz valer desta prática para obter vantagem encima de alguém. Outra situação, não de menor gravidade, é utilizar a mentira para se sair de alguma situação difícil. 

A primeira forma de mentira que encontramos no Antigo Testamento encontra-se em Gênesis 3.4, quando Satanás usou a serpente para enganar a mulher e induzí-la a comer do fruto da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal. 

As consequências da mentira são as mais variadas, que se estendem desde a perda da credibilidade e confiança diante dos homens, prejuízos profissionais e financeiros, até (o que considero ser mais grave) a perda da intimidade e comunhão com Deus. 

A VERDADE COMO ATRIBUTO DE DEUS

Em João 8.32,  Jesus orientou aos seus discípulos: "e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará". Compreendemos portanto que o Senhor detesta a mentira, pois Ele tem compromisso com a Verdade. Jesus diz em João 17.17 que a Palavra de Deus é a verdade, portanto, quem tem compromisso com Cristo e com a Palavra, necessariamente deve estar compromissado com a verdade. 

Deus não tem aliança com o engano, com a mentira; e por isso, o Senhor atribui ao diabo estas coisas. A verdade está ligada ao próprio processo de santificação, e por esta razão, temos que adotá-la em nossas vidas. 

"Mas o Senhor Deus é verdadeiro..."_(Jeremias 10.10a). 

APLICAÇÃO

Como cristãos, devemos ter o compromisso de viver uma vida em santificação e comunhão com Deus. Paulo orienta os seus discípulos a imitá-lo, assim como ele era imitador de Cristo. Nós somos vitrine, e portanto, servimos de referência à outras pessoas que se espelham em nossa vida.

Toda e qualquer mentira não faz parte do caráter e dos atributos éticos e morais de Deus; e por isso, devem ser rejeitadas em nossas práticas. Nosso comportamento precisa estar pautado na Palavra e nas sãs doutrinas. Servir a Deus é trabalhoso, mas requer uma escolha diária, em sermos fiéis à sua vontade, ou vivermos sem propósito. 

Para servir a Deus, é necessário pagar um preço, fazer uma escolha, tomar a nossa cruz e vivermos para Cristo. Abandone hoje, qualquer prática de engano que poderá te trazer dor e sofrimento. 

"Servo bom e fiel, entre no gozo do teu Senhor!"_(Mateus 25.21).

Abraços fraternais, 
Prof. Fábio Luiz. 

Fique por dentro