domingo, 6 de março de 2016

Projeto de Vida 2016 #ProjetandoMarço #ReconstruindoAltar

Irmãos e amigos,
Que a Paz esteja convosco!

Ao buscar a direção espiritual para as nossas vidas para este mês de Março, o Senhor nos direcionou à seguinte meditação: "Quando chegou o sétimo mês e os israelitas já estavam em suas cidades, o povo se reuniu como um só homem em Jerusalém. Então Jesua, filho de Jozadaque, e seus colegas, os sacerdotes, e Zorobabel, filho de Sealtiel, e seus companheiros começaram a construir o altar do Deus de Israel...". Esdras 3.1-2(a).



Relembrando o Propósito

Compreendemos que 2016 será o ano de viver um sacerdócio por excelência. Esdras era um sacerdote que cumpriu com zelo e com êxito a sua missão. Exercer um sacerdócio com excelência significa desenvolver frutos não apenas no ministério, mas frutos que alcançarão todas as áreas da nossa vida: emocional, espiritual, financeira, profissional, física, familiar, etc. 


Histórico

O Senhor Deus despertou no coração de Ciro, rei da Pérsia, o desejo de reconstruir o templo de Jerusalém, que no passado havia sido destruído e saqueado por Nabucodonosor, rei da Babilônia. Na Pérsia, havia um remanescente fiel a Deus, com o coração voltado ao propósito, e o Senhor move o coração do rei em cumprimento a uma promessa liberada através de Jeremias a este remanescente. Após mobilizar posicionar todos os judeus presentes no império para a reconstrução, o primeiro grupo está prestes a retornar do exílio para a Cidade Santa a fim de dar início ao projeto. Os vizinhos começaram a ofertar voluntariamente não apenas ouro e prata, mas também bens e animais para a reconstrução do templo; segundo a ordem do rei (versículo 4). O próprio rei Ciro também sentiu-se impelido a restituir para o templo, os utensílios que no passado foram saqueados por Nabucodonosor. Ao todo, foram restituídos "cinco mil e quatrocentos utensílios de ouro e prata". _(Esdras 1.11, NTLH).

Reconstruindo o altar


Após receberem a autorização do rei da Pérsia e os recursos necessários para obra, os israelitas partiram para a missão. Eles poderiam ter iniciado a reconstrução do templo por qualquer parte, ou simplesmente, pelo alicerce como sempre foi a regra de ouro dos melhores engenheiros e arquitetos. Entretanto, algo nos desperta certa curiosidade: Porque iniciaram pelo Altar?

O altar, era o local aonde ofereciam sacrifícios a Deus, conforme a lei de Moisés. O altar era o local aonde o Senhor recebia os sacrifícios e respondia as orações. Era um local de entrega, de devoção e de consagração ao Senhor. Esdras, como exímio sacerdote que era, conhecia a importância do altar em face dos cultos a Deus. Os israelitas compreendiam que de nada adiantaria iniciar a obra com o altar destruído, de nada adiantaria reconstruir templos, muros, paredes e portas se o local da adoração e do culto a Deus estivesse profanado. 

Esdras compreendia a necessidade de primeiramente restaurar a posição que Deus deveria ocupar diante daquela geração. Reconstruir primeiramente o altar, é priorizar a Deus, a posição de Deus em face da congregação! Reconstruir o altar é oferecer a primazia do culto e da adoração a quem é de direito, ou seja Deus.

Muitas pessoas estão dentro das igrejas cantando, pregando, oferecendo espetáculos públicos, mas seu altar está destruído. Altar, hoje, tipifica o coração! Muitas pessoas estão dentro da igreja, dizem que servem a Deus, mas da boca para fora. Seus corações estão distantes do Senhor! Estas pessoas não vivem uma vida de obediência, de sacrifício, de integridade e de louvor a Deus. Mas estão lá, dentro das igrejas, vivendo uma vida religiosa e sem Deus.

Março é o tempo de reavaliarmos o nosso coração. De consagrarmos nossa vida a Deus. De provar a quanto anda e solidez de nosso altar. Entramos na presença de Deus, oramos, clamamos, pedimos, exigimos, declaramos, profetizamos, determinamos coisas a Deus... Mas é necessário compreender, que antes de mais nada, o nosso altar (o nosso coração) precisa estar reconstruído!

Reconstruído de toda mágoa, de toda amargura, de toda decepção, de todo peso, de toda religiosidade, de toda arrogância, de toda vaidade, de toda autossuficiência, de toda ganância, de toda inveja, de toda desobediência. 

Que todos nós possamos, neste mês de Março, reconstruir nosso altar, o nosso coração, para oferecer ao Senhor um espaço que é dEle por direito. A partir do momento, em que priorizarmos uma vida de intimidade e relacionamento com Deus, os nossos desejos, os nossos sonhos e os nossos projetos irão fluir com o poder de Deus.

Mais importante do que a realização de sonhos e milagres, é um altar reconstruído para que o Senhor o ocupe e receba através deste altar uma adoração genuína. 


Retomando...

Março é o mês em que devemos avaliar a nossa vida, os nossos sentimentos, as nossas motivações para provar se andam em consonância à vontade de Deus. Março é o mês de reconstruirmos o nosso altar, que é o nosso coração, para que o Senhor possa ocupá-lo e receber a adoração que lhe é devida. 


JEJUM DE CONSAGRAÇÃO


Todos os domingos do mês de Março. Os itens de abstenção, a duração e os horários deverão ficar a critério de cada irmão, em detrimento de suas necessidades e de sua saúde. 


LEITURA BÍBLICA

Neste mês de Março leia o o restante do Evangelho segundo Lucas, a partir do capítulo 18, até o livro de Atos dos Apóstolos.  


SEMANA DE ORAÇÃO

Todos os dias, de hoje a Sábado (12 de Março), a partir das 21h; através do Site dos Adoradores, das redes sociais ou do grupo Conversa Íntima com o Pai Celestial. 

Testemunho