sexta-feira, 31 de julho de 2015

Vencendo a ingratidão

Depois de tantos anos servindo a Deus, vejo que algo tem marcado nossos dias, o que podemos chamar de ingratidão, essa marca parece que chegou as igrejas para ficar, e pior não podemos ficar contemplando essa potestade avançando de uma forma avassaladora não vemos mais princípios por onde passamos, quantos os ministérios, famílias estão se perdendo com essa maldita marca do inferno chamado ingratidão.

Em 2 Samuel 13 a 18, leremos a história de um jovem promissor que seria um grande rei para Israel, Absalão. Sua liderança era algo invejável a qualquer um que estuda as escrituras, olhando para sua forma obstinada, e clara de liderar veríamos esse jovem como um grande exemplo a ser seguido não fosse a maldita ingratidão.

Mais você pode estar se perguntando que é ingratidão: que ou aquele que não aprecia devidamente os favores ou benefícios que lhe são prestados, que não se mostra reconhecido à pessoa que os presta (Dicionário). Quem nunca foi vítima desse tipo de pessoa? Ao longo de sua história você já teve essa experiência e por certo terá outras pessoas que entrarão em sua vida com a marca da ingratidão, mais depois de aliançado com você eles se tornarão em pessoas gratas, pois sua vida será uma referência de gratidão aos seus líderes, sua igreja e seus pastores.
Características que havia em Absalão que podemos hoje encontrar nas igrejas, que precisamos estar vacinados contra essas influencias, que servem apenas para confundir nossa fé. Não precisa que você os procure essas pessoas pode estar certo, eles vão procurar você, o que eu pretendo com essa lição é ensinar há você a ter avaliações claras e sensatas para não cair nesse espirito de engano que tem marcado esses dias nossas igrejas. Fique atento aos ensinos e aprenda como sair das astutas ciladas que poderão vir contra nós.

1ª Comunicação convincente. O verso 2, diz: “Levantando-se Absalão pela manhã, parava à entrada da porta; e a todo homem que tinha alguma demanda para vir ao rei a juízo, o chamava Absalão a si e lhe dizia: De que cidade és tu? Ele respondia: De tal tribo de Israel é teu servo...”. Parece que Absalão não era preguiçoso. Levantava-se cedo e já estava na entrada da cidade, falando com as pessoas. Possivelmente tinha facilidade de comunicação, de “puxar conversa”. Identificava aqueles que tinham necessidades, aqueles que procuravam acertar alguma disputa e logo entrava em conversação com eles. Certamente essa é uma das características que nunca falta aos que aspiram ao poder. Devemos olhar além da forma – devemos atentar para o conteúdo e a substância, procurando discernir os motivos do comunicador. Absalão não estava interessado em ajudar e sim se levantar com o objetivo de “ficar bem” com todos, creio que seja essa uma característica que devemos nos preocupar e muito, pessoas que querem estar bem com todos a todo custo, este rapaz embora um príncipe estava tendo uma postura que condizia com a sua condição de homem separado para um grande projeto.

2ª Mentira. O verso 3 mostra que Absalão era mentiroso. Era isso que Absalão comunicava àqueles com os quais ele conversava, com os que tinham demandas judiciais a serem resolvidas: “Então, Absalão lhe dizia: Olha, a tua causa é boa e reta, porém não tens quem te ouça da parte do rei”. Descaradamente ele minava a atuação, autoridade e função do rei Davi, seu pai. Com a “cara mais limpa”, como muitos políticos com os quais convivemos, passava uma falsidade como se fosse verdade (Leviatã). Certamente existia quem ouvisse as pessoas, em suas demandas. Certamente, nem toda causa era “boa e reta”, mas Absalão não estava preocupado com isso, nem com a verdade. Ele tinha os seus olhos postos em situação mais remota. Ele queria o poder a qualquer preço. Para isso não importava se ele tinha que atropelar até mesmo o seu pai. Não sejamos crédulos às afirmações inconsequentes, às generalizações mentirosas de tantos que aspiram ao poder. Procura pessoas sem opinião formada com um único objetivo: faze-las pensar que eram alguém de muito valor, e assim ele foi criando seu exército, aprenda para seguir um rebelde sempre se levanta um exército. Mais por mais incrível que possa parecer, eles não tinham um líder possuíam uma pessoa que apenas queria arranca-los das mãos de Davi, era algo pessoal ele queria mostrar a Davi seu pai que no poder seria alguém melhor que ele.

3ª Ambição e engano. O verso 4, confirma a linha de ação adotada por Absalão, na trilha da decepção: “Dizia mais Absalão: Ah! Quem me dera ser juiz na terra, para que viesse a mim todo homem que tivesse demanda ou questão, para que lhe fizesse justiça!” Será que realmente acreditamos que o malévolo Absalão estava mesmo preocupado com o julgamento reto das questões? Será que ele tinha verdadeira “sede e fome de justiça”? A afirmação demonstra, em primeiro lugar que a sua ambição era bem real – ele queria ser “juiz na terra” – posição maior que era ocupada pelo rei seu pai. Quanto à questão de “fazer justiça” – será que realmente podemos acreditar? Certamente com a demonstração de impiedade e injustiça que retratou posteriormente, quando ocupou o poder, mostra que isso era ledo engano aos incautos.


Quantas pessoas terão sido iludidas por ele! Quantas o apoiaram porque acharam que ali estava a resposta a todas as suas preces e anseios – “finalmente, alguém para fazer justiça”! Como é fácil sermos iludidos e enganados em nossas necessidades! Não sejamos ingênuos para com promessas que não poderão ser cumpridas. Meu amado aquele que trai o líder hoje vai trair você amanhã. A ingratidão é a marca de muito que estão a nossa volta, não podemos mudar as pessoas por nossos preceitos, elas precisam ser mudadas por nossas características de fidelidade, quando somos gratos e aliançados isso marca a vida dos outros a nossa volta, não a nada melhor do que nos relacionarmos com pessoas de aliança, pois as mesmas durante as crises elas vão se manter fieis da maneira como contamos com elas no tempo da bonança. Combata essas ações do inferno que possam se levantar contra você e saiba que não fomos chamados para desonra e a ingratidão e sim para a honra e gratidão em toda nossa caminhada.

Seja fiel aos seus líderes, igreja e pastores; pois assim atrairá pessoas fieis a você, mantenha-se aliançado, pois assim atrairá a você pessoas de aliança. Esses são princípios que deveriam marcar nossas vidas sempre. Aprenda a dar valor a quem te deu uma oportunidade de crescer isso é um legado espiritual que serve para toda a nossa vida, no seu trabalho, família, meio de relacionamento, seja grato aos seus parentes, pais irmão, conjugue enfim, abandone a ingratidão de sua vida pois a mesma não fará bem a você nunca. Seja grato ao Pai por pessoas que ele mesmo colocou em seu caminho, pois os mesmos sempre vão colocar pessoas especiais em sua volta quando você se abrir para essa direção; seja grato fuja da ingratidão e avance em sua vida. Fique na paz e lembre-se estamos agindo juntos para coisas grandes e para chegar as coisas grandes precisamos de atitudes nobres. 


 “Quem anda sozinho chega mais rápido, mais quem anda acompanhado chega mais longe”.




CONVIDADO ESPECIAL

Pr. Luiz Vagner
Líder Espiritual da Primeira Igreja Batista de Cerâmica.
http://www.pibceramica.com.br

O Fogo, a Água e a Oportunidade

Os três se encontraram, a oportunidade perguntou: -De onde vocês são?  E o fogo respondeu: -Eu estou nas guerras, nos vulcões,  ...