sábado, 11 de julho de 2015

Dia 11 - A Soberania e a Vontade de Deus Sobre Nós


Jeremias, o profeta do Senhor, foi enviado à casa do oleiro, que achava-se localizada, provavelmente no extremo sul de Jerusalém, nas cercanias da Porta do Oleiro e do Vale dos Filhos de Hinon. Nessa região, os oleiros desempenhavam suas atividades, e coletivamente defendiam seus interesses.

Porém, ele fora enviado não para pregar um sermão, como fizera por várias vezes junto às portas de Jerusalém, mas para receber um já preparado. Notemos aqui, que todos aqueles que querem conhecer o pensamento de Deus, recebendo à semelhança do profeta uma mensagem através de uma revelação direta, devem observar as Suas ordens, e estarem presentes onde possam ouvir as Suas palavras.

O profeta nunca desobedeceu à visão celestial, e por essa razão, foi à casa do oleiro. (Jeremias 18.3), e notou a maneira como este realizava a sua obra sobre as rodas, exatamente como lhe agradava, com muita tranquilidade, e em pouco tempo. E, quando um pedaço de barro que ele projetava transformar em uma forma especifica se mostrava duro, ou tinha uma pedra, ou de uma maneira ou de outra acabava desfigurado em sua mão, em um instante o transformava em outra forma.

É provável que Jeremias soubesse muito bem como o oleiro realizava o seu trabalho, e com que facilidade o colocava na forma que lhe agradasse. Mas ele teve que ir observá-lo neste momento, para que, tendo a ideia recente em sua mente, pudesse mais imediata e nitidamente compreender a verdade que Deus planejara, através daquilo, lhe retratar. E ainda, pudesse explicá-la ao povo de uma maneira ainda mais inteligente.

Assim, enquanto Jeremias observava atentamente o trabalho do oleiro, Deus apresentava à sua mente duas grandes verdades:

1ª Verdade: Deus tem uma soberania incontestável e suprema sobre nós, podendo dispor de nós conforme Ele considere adequado, não nos devendo nenhuma explicação. E seria um absurdo que nos opuséssemos a isso. Seria como o barro contender com o oleiro.

2ª Verdade: Que é mais fácil para Deus fazer de nós o uso que lhe aprouver, as mudanças que desejar, e que não conseguimos resistir a Ele. Um giro da mão ou uma volta da roda alteram em muito a forma do barro, transformando em um vaso, o desfaz, o refaz. Assim é o nosso ritmo na mão de Deus, não na nossa, e é em vão tentarmos lutar contra Ele.

Assim, eu entendo que é chegado o momento de encararmos com mais seriedade a soberania de Deus. O mesmo oleiro que do barro disforme formou Israel, também chamou-nos de entre os povos, constituindo-nos um povo santo, especial e de boas obras (Tito 2.14)

Como estamos encarrando a soberania de Deus? Temos considerado a Sua vontade? Ou achamos que, frágeis vasos, temos autoridade sobre o Oleiro? Humildemente devemos orar: “Seja feita a Tua vontade, assim na terra como no céu”.

Pr. Anderson J. de Lima

Testemunho