quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

A Parábola do Fariseu e o Publicano


Eu lhes digo que este homem [o publicano], e não o outro [o fariseu], foi para casa justificado diante de Deus. Lucas 18.14

Justificação é um termo legal, o oposto de condenação. Os juízes do Antigo Testamento eram instruídos a justificar o inocente e a condenar o culpado. Assim, podemos imaginar a indignação dos fariseus quando Jesus declarou que o publicano pecaminoso fora justificado e que o fariseu correto fora condenado. Estaria Jesus ousando atribuir a Deus uma ação que ele havia proibido a juízos humanos?

Na parábola, os dois atores subiram ao templo para orar. Ali, no entanto, as semelhanças terminam e as diferenças começam.

Primeiro, eles tinham uma opinião completamente diferente um do outro. O fariseu usou o pronome pessoal eu cinco vezes. O publicano, porém, usou-o apenas uma vez e para se acusar: “Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador” (v.13). Essa é a linguagem do verdadeiro arrependimento. Além disso, suas opiniões, diferentes entre si, refletiram-se em suas posturas. Ambos estavam em pé (conforme o costume judaico). Mas o fariseu se achava ereto, orgulhoso e ostentoso, preocupado consigo mesmo. Já o publicano “ficou à distância” (v.13), com os olhos baixos e batendo no peito.

E a outra diferença diz respeito às referências sobre as quais baseavam sua confiança em Deus. O fariseu confiava em si, acreditava que era justo, enquanto o publicano confiava somente na misericórdia de Deus.

O arcebispo Thomas Cranmer, em seu “Culto de Comunhão”, de 1552, estabelece deliberadamente a nossa posição, a saber, ao lado do publicano, “não levando em conta nossos méritos, mas perdoando nossas ofensas através de Jesus Cristo”, e dizendo que não temos a presunção de vir à mesa do Senhor confiando em nossa própria justiça, mas em suas “variadas e muitas misericórdias”. Essa forma de oração que supõe uma aproximação humilde se mantém para sempre na linguagem do verdadeiro penitente.

Uma decisão que mudança de vidas!

Antes que os espiões fossem dormir, Raabe subiu ao terraço e disse a eles:  — Eu sei que o Senhor deu esta terra a vocês, os...